segunda-feira, 31 de maio de 2010

A Difícil Vida dos Homens Monitor.



Semana passada, eu dei corda a um homem monitor.. Ah, não sabem o q é??? Homem Monitor é aquele que vive sua vida, atrás de um monitor, de um teclado e de um mouse.. Alguns, são eles mesmos, mas sem sair de casa ou da lan.. Outros, criam uma fantasia, mudam de personagem a cada dia..
Esse homem monitor, era um médico.. oftalmo.. Tinha família.. falava dela.. Mostrava fotos.. A princípio, eu me encantei com ele.. dizia-se submisso.. cercado de mulheres, na família e no trabalho.. e tinha aprendido a submeter-se a elas..
Fiquei fascinada.. mas, algo me soprava ao ouvido, que aquilo era muito bom para ser verdade.. Ele mostrava foto de um homem bonito.. muito bonito mesmo... alto.. corpo bem feito..
Dei corda o quanto pude.. me fiz de mansa..
Ele dizia q seriamos namorados e eu so seria dele.. Submisso, querendo exclusividade??? Estranho ne???

A voz não tinha nada a ver com a imagem dele.. era feia.. parecia de um homem muito mais velho e tinha uma certa arrogância... Dificil acreditar q era um submisso..

Mas Homem monitor, tinha as mais diversas desculpas para não aparecer...
E findo 15 dias.. realmente ele desaparece.. Sem nenhuma desculpa.. nada..
Uma tristeza, me bate, não por ele ter desaparecido.. mas por eu ter achado, ao menos um pouquinho, q ele poderia não ser somente um virtual..
Mas... eu ja tinha pensado antes: "Tá muito bom pra ser verdade".. kkkkkkkkkk

Acho uma infelicidade enorme, pessoas não poderem ser elas mesmas.. mentirem para as outras.. criarem personagens..
Fácil, aguentar isso.. passar por isso, do meu lado.. Pq eu sempre sou sincera.. nunco me magoo por falar a verdade.. me mostrar.. Mas, algumas pessoas, sentem um prazer mórbido em fazer isso.. em fazer com que outras pessoas se encantem com elas (???) ou pelos personagens delas.. De fato isso acontece.. mas, a minha dúvida é: Quem é o infeliz??? Quem acredita na história, ou aquele que faz essas coisas premeditadamente, para que alguem lhes dê atenção??? Será que homem monitor, consegue se expor de fato??? Consegue fazer amigos?? Ser ele mesmo???

Eu busco a realização das minhas fantasias.. busco ser plena, comigo mesma.. busco me tornar cada ver melhor.. Mas e ele????? Ahhhhhhh.. ele é apenas um personagem fictício.. O Homem Monitor.. ;)

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Mulheres Com Mais de 30!


"A medida que envelheço e convivo com outras, valorizo mais ainda asmulheres que estão acima dos 30;-Elas não se importam com o que você pensa, mas se dispõem decoração se você tiver a intenção -Se ela não quer assistir aojogode futebol na tv, não fica à sua volta resmungando, pirraçando...vai fazer alguma coisa que queira fazer...

- E geralmente é alguma coisa bem mais interessante;

-Ela se conhece o suficiente para saber quem é, o que quer e quem quer.

-Elas definitivamente não ficam com quem não confiam;

-Mulheres se tornam psicanalistas quando envelhecem. Você nuncaprecisa confessar seus pecados... elas sempre sabem...

-Ficam lindas quando usam batom vermelho. O mesmo não acontece commulheres mais jovens... Por que será, heim??

-Mulheres mais velhas são diretas e honestas. Elas te dirão na carase você for um idiota, caso esteja agindo como um!

-Você nunca precisa se preocupar onde se encaixa na vida dela. Basta agir como homem e o resto deixe que ela faça...

-Sim, nós admiramos as mulheres com mais de 30 anos!

-Infelizmente isto não é recíproco, pois para cada mulher com maisde 30 anos, estonteante, bonita, bem apanhada, sexy, e bem resolvida, existe um homem com mais de 30, careca, pançudo ou magro demais , embermudões , bancando o bobo para uma garota de 19 anos...

Senhoras, eu peço desculpas por eles : não sabem o que fazem!

Para todos os homens que dizem: "Porque comprar a vaca, se vocêpode beber o leite de graça?", aqui está a novidade para vocês: hoje em dia 80% das mulheres são contra o casamento e sabem por quê?

Porque " as mulheres perceberam que não vale a pena comprar um porco inteiro só para ter uma lingüiça!".

Nada mais justo!

Arnaldo Jabor

terça-feira, 25 de maio de 2010

Samurai - Djavan

Essa semana eu recebi essa musica, de um ser humano maravilhoso.... e prestei atenção na letra.. e gostei, muito mais do que já gostava. Essa música é linda. Estou postando aqui, para manter essa lembrança.. Beijos, meu anjo sem asas (mesmo que vc não veja nunca esse blog).
Aaaaaiii...
Quanto querer
Cabe em meu coração..
Aaaaaiii...
Me faz sofrer
Faz que me mata
E se não mata fere...
Vaaaaiii...
Sem me dizer
Na casa da paixão...
Saaaaii...
Quando bem quer
Traz uma praga
E me afaga a pele..
Crescei, luar
Prá iluminar as trevas
Fundas da paixão...
Eu quis lutar
Contra o poder do amor
Cai nos pés do vencedor
Para ser o serviçal
De um samurai
Mas eu tô tão feliz!
Dizem que o amor
Atrai...

Amor E Sexo - Rita Lee / Roberto de Carvalho / Arnaldo Jabor


Amor é um livro
Sexo é esporte
Sexo é escolha
Amor é sorte...

Amor é pensamento,
Teorema
Amor é novela
Sexo é cinema..

Sexo é imaginação,
Fantasia
Amor é prosa
Sexo é poesia...

O amor nos torna
Patéticos
Sexo é uma selva
De epiléticos...

Amor é cristão
Sexo é pagão
Amor é latifúndio
Sexo é invasão
Amor é divino
Sexo é animal
Amor é bossa nova
Sexo é carnaval Oh! Oh! Uh!

Amor é para sempre
Sexo também
Sexo é do bom
Amor é do bem...
Amor sem sexo
É amizade
Sexo sem amor
É vontade...
Amor é um
Sexo é dois
Sexo antes
Amor depois...
Sexo vem dos outros
E vai embora
Amor vem de nós
E demora...
Amor é cristão
Sexo é pagão
Amor é latifúndio
Sexo é invasão
Amor é divino
Sexo é animal
Amor é bossa nova
Sexo é carnaval Oh! Oh! Oh!
Amor é isso
Sexo é aquilo
E coisa e tal!
E tal e coisa! Uh! Uh! Uh!
Ai o amor!
Hum! O sexo!

Somewhere Over The Rainbow - music by Harold Arlen and lyrics by E.Y. Harburg


Somewhere over the rainbow
Way up high,
And the dreams that you've dreamed of
Once in a lullaby.
Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly,
And the dreams that you've dreamed of
Dreams really do come true.
Someday i'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far
Behind me.
Where troubles melts like lemon drops
High above the chimney tops
That's where you'll find me.
Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly.
And the dreams that you dare to..
Oh why, oh why can't i?
Well, i see
Trees of green and red roses too,
I'll watch them bloom for me and you
And i think to myself,
What a wonderful world.
Well i see,
Skies of blues and, clouds of white,
And the brightness of day, i like the dark
And i think to myself,
What a wonderful world.
The colors of the rainbow so pretty in the sky
Are also on the faces of people passing by
I see friends shaking hands saying how do you do
They're really saying i... I love you.
I hear babies cry, i watch them grow
They'll learn much more than really know
And i think to myself
What a wonderful world.
Someday i'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far
Behind me.
Where troubles melt like lemon drops
High above the chimney tops
That's where you'll find me.
Somewhere over the rainbow
Way up high,
And the dreams that you dare to
Oh why, oh why can't i?

domingo, 23 de maio de 2010

Algumas postagens..

Não tenho problema algum, em falar sobre minhas sessões.. sobre meus escravos.. sobre, absolutamente nada...

Mas, estive pensando aqui, q cada vez que falo de uma sessão, a coisa começa a degringolar..

Então decidi q nao vou falar mais disso, no momento.. Os posts estão salvos.. mas não serão publicados, até q eu mude de idéia..



:)

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Que beleza!!


Essa imagem eu ganhei de um escravo.... que eu adoraria possuir.. mas não posso. O pq, so cabe a nós..

Te adoro CBT_RJ_37 e obrigada pelo presente.. eu e o blog agradecemos.. VC é todo lindo..

domingo, 16 de maio de 2010

Meu canil...


Outro dia, estava no UOL e me perguntaram quantos escravos eu tenho encoleirados.. respondi que não tenho nenhum.. e a pessoa não entendeu nada.


Expliquei, o q ja falei aqui.. Coleira para mim não é uma coisa de metal ou de couro.. é mais que isso. E ter um escravo encoleirado, não depende só de mim. Depende da vontade dele tb.


Sei que parece absurdo, para uma Domme falar isso, mas é o que eu penso.


Para eu encoleirar um escravo, de fato, ele tem que querer.. tem que entrar no meu jogo, tem que saber o que quer.. tem que estar disposto a participar. E tem que tratar essa ARTE, como ela tem que ser tratada. Principalmente, com o respeito, que ela merece.


Bem, eu ja tive algumas sessões, que coloquei aqui. Outras não. Estou com um escravo, que está se mostrando muito receptivo. Mas mesmo ele, ainda não porta minha coleira e ele sabe (acredito), que para tê-la, ele tem que mostrar muito mais do que ja mostrou.


Quanto aos demais.. Bem.. um eu ja contei a história.. Correu.. amarelou.. e o outro, cá entre nós, perdi a confiança. Apesar de me identificar demais com as práticas que fizemos, não me identifico com o carater dele. Com a ausência dele. Então, este, está livre.. Não quero mais.. e não recomendo.. pq algo me diz, que ele não é totalmente submisso quanto quer aparentar..


Respeito por demais as opções das pessoas.. Se são DOMs, subs e Switcher.. O que eu não respeito, é a falta de coragem para assumir o que se é.. Uma pessoa que precisa esconder um de seus lados, para poder praticar o outro, não está sendo honesta comigo.. e acredito q tão pouco com ela. E ja que essa relação é baseada em confiança.. quando a gente descobre que não há tanta honestidade nela, o que fazer?? Não sei vocês, mas eu dou tchau!!! Saio fora..


Voltando.. Não tenho escravo, que diga por ai, que me pertence.. Deixo sempre meu canil aberto, para que o escravo posso ir.. Se ele quiser voltar, e eu tb quiser, podemos até entrar num acordo.. Mas, o dia que alguem, estiver com a coleira de MISS_TERY, pode saber, que é o meu escravo perfeito..


Não quero me afobar.. quero continuar procurando, dentro do que eu coloquei como meta para mim.. Um dia, creio, eu darei uma coleira. Tenho plena ciencia disso. Para não haver qualquer dúvida, eu retirei até do Blog, o meu nome, de perto do nome de alguns escravos. na tal coleira virtual.. Só para não se ter mais dúvida..


Então.. Não tenho escravo.. Meu canil não tem ninguem com o meu nome atado em sua coleira. ;)

Escravo ou Farsante?



Tenho visto, que muitos escravos, querem sessões.. Eles dizem sempre que querem coleira.. dona fixa.. única dona.. Mas a realidade é bem outra.. Enquanto estão se apresentando, são tão bonzinhos..

As vezes penso que escravos de verdade, com essência, de alma.. não existem.. O que existe são homens querendo suas fantasias realizadas, cada dia com uma nova Dona.. e com isso, como não sou de discutir.. vou levando na maior tranquilidade.. até q um dia, eu desapareça, para esses muquiranas.


E minha coleira??? Bem.. ta pendurada.. esperando um pescocinho que vai honra-la.

Quem Escraviza Quem??


Tenho pensado bastante nesse tema.. Há muito queria escrever sobre..


É muito fácil, falar que como Domme, decidimos tudo.. os horários.. os dias das sessões, mas não é bem assim.. Por mais poderosas q sejamos, o tempo não é nosso aliado.. nem sempre..


Há trabalho, filhos (escravos separados), compromissos com a família.. Ai temos q nos submeter a isso..

Há tb os acordos.. as práticas q temos q ajustar.. Nem todos gostam das mesmas práticas.. Umas sou eu que não gosto.. outras, os escravos.. E vamos ajustando tudo.. Vamos conversando, e de repente, nossas práticas estão sendo aniquiladas, de tantos limites postos pelos escravos. É um Deus nos acuda.. "isso não gosto, isso não faço, isso não quero" dizem... Em alguns casos, eu até concordo em cortar uma ou outra coisinha.. mas, nem tudo eu vou ceder.. e ai, falo para o escravo: Não é melhor você procurar uma Dona com a qual tenha mais afinidades??


Quando vemos, já não temos o poder q pensamos q temos.


Em alguns casos, é tão complicado, marcar, q eu começo a me perguntar: Quem escraviza quem???


As vezes há uma espera tão longa, que eu chego a acreditar que o escravo não me reconheceria, se passasse por mim na rua.. Digo isso, pq tenho certeza, q não mais o reconheço..

Acho que estão faltando Dommes para tanto escravo.. acho q está faltando bons escravos, para nós que queremos fazer um BDSM sério.. sem oba oba.. e sem essa vulgaridade que muitos estão fazendo..

Acho que está faltando mesmo é vontade.. e eu só espero não perder a minha. ;)

É, mas continuo sem a resposta.. Quem Escraviza Quem?

quarta-feira, 12 de maio de 2010

A Cinta dos meus Sonhos..



Essa não precisa de palavras.. é linda.. em breve terei uma.. Para quem gostou.. vai o link.

Coleiras


Eu sempre brinco, com os escravos, sobre o uso da coleira.. e eles sempre dizem que vão usar.. Mas, eu nunca dei, dar mesmo, para levarem, uma coleira minha.


Antes de eu entregar uma coleira para um escravo, eu preciso sentir, que ele está encoleirado de fato.. não é uma coleira de couro ou metal, que interessa para mim.. Me interessa mesmo é a coleira, que está dentro dele..


É aquela com que eu vou guia-lo, conduzi-lo. Por ela eu vou passar todo o aprendizado. É aquela que nos unirá enquanto ele for meu. Mas que ele sente vontade e orgulho de portar.


Então, por enquanto, eu so tenho uma coisa a dizer: Coleira minha, não vai firmar em qualquer pescoço não. Para usa-la, o escravo tem que fazer juz..


É por ai..

terça-feira, 11 de maio de 2010

Escolhendo o escravo.

(http://i.olhares.com/data/big/337/3375298.jpg)
Dá um trabalho....
Eu tenho que sentir que há algo.. algo que me dá vontade de tomar aquele escravo para mim..

Hoje, eu ja sei o que eu não quero em um escravo...

Não quero que ele tenha uma relação baunilha em sua vida.. Não dá para deixar marcas e eu fico me contendo, deixo de ser natural, para fazer uma prática fingida.. só para dizer que dei umas chineladinhas.. afff... odeio esse fingimento. O que eu quero, na verdade, é deixar, nem que seja por poucos dias, a marca da força da minhão chibata.

Não quero um escravo que ja venha "pronto"... Se arrastando para cima de mim.. (ou seria pra baixo de mim??) Quero que ele tenha um "Q" de rebeldia.. que seja inteligente para discutir, na hora de nosso acordo, o pq de não querer isso ou aquilo. Mas também, que tenha coragem, para encarar o desafio de novas práticas.. Não gosto daqueles, que falam que farão tudo o que eu quiser, só para que eu os aceite como meus.. e na hora H.... Cade???

Não quero o escravo, que mantenha os olhos baixos.. mas que não acate minhas ordens.. Distante, finge que está fazendo tudo, quando na verdade, não cumpre nada..

Não quero o escravo sem tempo.. sem beleza, nem que seja interior..

Não quero o escravo que vem com aquele papo de "pago suas contas.. te dou jóias.. pesentes caros" Eu heim, não preciso ganhar presentes com aviso prévio.. Tem horas que eu penso, que esse ai, so vai dar é trabalho.. Isso eu não quero. Quero os presentes surpresas que são muito melhores..

E o que eu quero???
Quero o escravo carinhoso, amigo, maduro, inteligente, sensível, com bom senso, corajoso, desafiador..

Aquele que se entrega, mesmo quando preciso discutir uma prática, tintim por tintim.. mesmo que eu tenha que convencê-lo, um pouquinho de cada vez..

Quero aquele que está disposto a me agradar.. a se doar.... e até, (e porque não????), me aconchegar.. Quero o escravo de essência ou de alma..

Aquele que me diz: "Pode fazer, pq eu sei que a Sra quer muito experimentar isso!!" Como é bom saber que ele confia tanto em mim, que me entrega seu corpo, para o que der e vier..

Gosto daquele escravo, que guardou todas as dicas que eu dei em nossas conversas... Ele sabe o que eu gosto.. o que eu não gosto.. sabe a marca do meu cigarro.. as minhas práticas favoritas.. O jeito que eu gosto dissso e daquilo.. Sabe que eu gosto de ter água mineral com gás na sessão.. Gosto do escravo que realmente presta atenção nas coisas que são ditas.. Ah, como eu gosto dessa atitude!!

Gosto dos escravo que sugere, sem insistir.. e principalmente, aquele que quer estar presente..

Gosto do escravo galante, gentil... que abre a porta do carro.. que segura a minha mão para sair do mesmo. Que acende meu cigarro e que está sempre perguntando se eu quero algo. Preocupado com meu bem estar.

Gosto do escravo real.. não gosto de escravo virtual, que na maioria das vezes está de firula atrás do monitor.. Gosto de pele.. de cheiro.. do suor.. e de tocar com os dedos, o seu gozo e dar-lhe para lamber..

Gosto do escravo que está sempre presente, ou se faz realmente presente.

Gosto do escravo que uma pequena ordem, é uma ordem cumprida.. E não titubeia, se ela for uma grande ordem.. Escravo disposto..

Gosto do escravo que me faz rir. Que faz meus olhos brilharem.. Que faz com que eu pense que a próxima sessão, vai ser bem melhor.. e eu passo a bolar coisas maravilhosas.

Gosto do escravo que me liga, só para dizer: Bom dia, minha Rainha, que seu dia seja maravilhoso!!

Ahhhhhhhhh.. Mas cadê??? Utopia??? Não sei..

Então... como dizia a "Tia Periquita".. "Vá tentando com os errados, enquanto o certo não chega!" ;)

domingo, 9 de maio de 2010

Chove lá fora!!



Achei essa imagem linda... Chuva, vela.. Ainda não usei velas, mas ando lendo bastante a respeito, para poder usa-las.
No site de O Carcereiro, eu encontrei uma matéria muito legal.. e como hoje não estou inspirada para escrever, vou indicar somente..

Dez pontos básicos sobre a liberdade sexual


[Extraídos do The complete Guide to safe sex by the Senior Faculty of the Institute for Advanced Study of Human Sexuality, ed. Ted McIvenna, M.Div. Ph.D (Beverly Hills, Calif: PreVenT Group/Specific Press, 1987) e comentados no livro Come Hither : a commonsense guide to kinky sex, Gloria G. Brame] Esta é a lista dos 10 pontos básicos a respeito da liberdade sexual, aprovados pela Comissão de Ética do 5º Congresso Mundial sobre Sexualidade Humana, realizado em 1987.


1. A liberdade de qualquer pensamento, fantasia ou desejo sexual. (Qualquer pessoa tem direito a pensamentos pessoais, não importa quão bizarros possam parecer a outras pessoas.)


2. O direito ao entretenimento, livremente disponível, incluindo material que satisfaça toda diversidade. (Que todos possam ver pornografia, ler revistas, procurar profissionais os mais diversos, sem sofrer qualquer preconceito ou estigma.)


3. O direito a não estar exposto a material e/ou ambiente de natureza sexual. (Ninguém pode ser forçado a ter contato com material pornográfico ou de ordem sexual.)


4. O direito à auto-determinação sexual. (Cada um tem direito a fazer o que quiser, sexualmente, com seu corpo.)


5. O direito de procurar e realizar atividades sexuais consensuais. (Todos têm o direito a relacionarem-se sexualmente com quem quiserem, desde que haja consentimento mútuo.)


6. O direito de envolver-se em atos e atividades sexuais de qualquer tipo, desde que não seja através de coação, violência, constrangimento ou fraude. (Todos os tipos de relação sexual são aceitáveis, desde que os participantes estejam conscientes e haja consentimento mútuo.)


7.O direito de estar livre de perseguição, condenação, discriminação ou intervenção em ambientes privados. (Todas as chamadas minorias sexuais - gls, bdsm, swingers, fetichistas, bissexuais e outros - devem ser livres para realizar suas atividades sexuais sem serem molestados de qualquer forma.)


8. O reconhecimento pela sociedade de que cada pessoa, só ou acompanhada, tem o direito de realizar-se num contexto sócio-sexual livre de interferência política, religiosa ou legal; e que é necessário que a sociedade crie mecanismos onde oportunidades de atividades sócio-sexuais sejam criadas inclusive para deficientes físicos, doentes crônicos, presos de cadeias, instituições e hospitais, e também para aqueles em desvantagem pela idade, pela falta de atrativos físicos, ou pela falta de oportunidade social, como pobres e pessoas solitárias. (Todo adulto, não importa a idade, habilidade, condição social ou estado de saúde, tem direito ao conforto e ao prazer do contato sexual com um parceiro consentido.)


9. O direito básico de todas as pessoas adultas, portadoras de disfunção sexual, terem oportunidades de tratamento médico para a sua sexualidade.


10. O direito do controle da concepção.

Cinto de Castidade - Quer um??



O Uso atual (http://pt.wikipedia.org/wiki/Cinto_de_castidade)
Há registro de uso de cintos na França, Alemanha, Américas e Austrália por homens e mulheres no final do século XX. Segundo estatísticas recentes cerca de trinta mil homens vão trabalhar trancados em seus cintos de castidade masculinos Reino Unido todos os dias, segundo o jornal The guardian. Dessa forma o uso atual é muito mais difundido do que na antiguidade e, curiosamente, se tornou predominantemente masculino. Embora ainda existam diversos modelos femininos disponíveis para aquisição; A novidade realmente são os modelos masculinos, porque além da troca de papéis com relação ao passado, são muito variados em formato, materiais, preço e fabricação. As vendas alcançam percentuais muito superiores aos dos modelos femininos. Todavia, como outrora, o seu uso continua sendo sigiloso para não chocar, causar embaraço ou escárnio.
A utilização atual do cinto de castidade se tornou um ato consciente e opcional (consensual) e pode estar intimamente relacionado com algumas práticas fetichistas, inclusive com o BDSM, porém não exclusivamente, porque pode ser uma opção de um casal interessado em banir definitivamente a possibilidade da traição masculina ou evitar a masturbação por inúmeros motivos.
De qualquer forma, não há qualquer viés violento, religioso ou virtude implícita em seu uso atual.
O homem se submete ao cinto espontaneamente, deixando para sua companheira, guardiã das chaves, a decisão sobre quando, como e onde ocorrerá atividade sexual (ereção, penetração e gozo). Há várias possibilidades para justificar a aceitação masculina do cinto de castidade, dentre elas está a busca de uma nova forma de se relacionar com a companheira, romantismo, qualidade na relação sexual, busca de uma técnica de acúmulo de semen para incrementar a potência do orgasmo, entrega e até altruísmo nos casos onde a companheira esteja impossibilitada por qualquer motivo.
Talvez por ter consciência da sua dificuldade de conseguir se dominar e se manter fiel perante as diversas tentações, aceita o cinto e dessa forma se afasta definitivamente do perigo da traição, para evitar ter que mentir e passar pelo sofrimento do sentimento de culpa ou arrependimento. Também para demonstrar compromisso ou ainda evitar a compulsão da masturbação e se tornarem sempre dispostos para a prática de jogos sexuais com ou sem penetração, buscando a plena satisfação de suas companheiras.
Por inúmeros motivos muitos homens decidiram abdicar de forma consciente do seu "poder", auto-controle, decisão sobre o seu corpo e de certa forma da sua libido. Dessa forma, se submeteram e se entregaram ao uso do cinto de castidade. Tudo se dá sem coerção, com total cumplicidade da companheira que em geral mantém as chaves inacessíveis e estabelece um programa de metas a ser atingido para obtenção do grande prêmio (retirada do cinto e gozo).
O uso contemporâneo do cinto de castidade masculino quebrou o paradigma da mulher submissa x homem dominante, algo tão comum no passado e na América Latina, mostrando que há outras fórmulas possíveis de relacionamento, baseadas na troca de poderes e papéis, trazendo o foco e o centro da relação para o controle e o prazer feminino, em detrimento da auto-satisfação, egoísmo e poder masculino.

Características desejáveis
Um cinto de castidade masculino ou feminino deve:
(a) IMPEDIR A PENETRAÇÃO!
Evitar completamente ereção, orgasmo, masturbação e relação sexual. Deve permitir outras funções fisiológicas, respiração, ir ao trabalho normalmente, caminhar e facilitar a higiene corporal.
(b) SER SEGURO!
Deve ser fechado através de cadeado ou dispositivo similar e não pode ser retirado sem a utilização das chaves. Após trancado não pode mais ser retirado por vontade própria.
(c) SER DISCRETO!
Deve ser pequeno e virtualmente imperceptível abaixo de roupas comuns, para permitir utilização por longos períodos ou até indefinidamente.
Observação: Infelizmente o conforto do usuário é levado em consideração apenas de forma secundária em comparação a segurança, higiene e discrição no projeto de cintos de castidade. Dessa forma há um período de adaptação que em geral leva poucas semanas para se completar.
O maior desafio da construção de cintos de castidade masculino é a eficácia. É difícil acompanhar as grandes variações de dimensão de um pênis. Por isto, como um bom terno, um cinto de castidade precisa de medidas personalizadas, embora os modelos prontos de PVC ou aço já atingiram um nível de segurança e configuração com segurança razoável e com custos bem menores. No caso dos modelos femininos, há um grande empecilho a utilização continuada que é a menstruação.

Tipos de modelo masculino
(a) Tipo cinturão com corrente lateral
Nesse modelo de cinto de castidade, o cinturão de 30 mm à 50 mm fica apoiado sobre os quadris, o fechamento é frontal oprimindo a cintura firmemente. Correntes laterais se prendem ao tubo peniano na altura do períneo, passando ao largo do ânus. Existem modelos com cinturão anatômico, forrado com neoprene, silicone ou borracha macia.
- Prós: Segurança e eficácia.
- Contra: Dificuldade de colocação, dificuldade de aquisição (necessita de medidas individualizadas para o correto fechamento), prazo de entrega, dificuldade de higienização, custo elevado, desconforto, peso excessivo (em geral é fabricado em aço), impossibilita viagens de avião ou acesso à bancos com detectores de metal. É comum relatos de dores na coluna na região lombar devido a pose vitoriana forçada.
Obs: Não creio que este tipo de cinto permita utilização indefinida devido as dificuldades de uso, sendo assim, não passa de um objeto de fetiche de curta duração para estimulação sexual e prática de jogos.
(b) Tipo cinturão G-string
Nesse modelo de cinto de castidade, o cinturão também fica apoiado sobre os quadris, o fechamento é frontal, firme ao redor da cintura. Uma haste fixa ou corrente se conecta do cinturão ao tubo peniano, passando diretamente pelo ânus. O conjunto tem a forma de G-string.
- Prós: Segurança e eficácia.
- Contras: As mesmas do modelo anterior, dificuldade de colocação, desconforto, peso, dificulta funções fisiológicas, aquisição complicada, muita dificuldade de higienização e custo elevado.
(c) Tipo gaiola
Não é bem um cinto de castidade, porque não é propriamente um cinto, mas sim um acessório que impede a ereção, penetração e orgasmo. Em geral é construído em ferro ou plástico resistente e formado por três partes, a saber: anel escrotal, tubo peniano e cadeado. Alguns modelos também são usados como CBT.
- Prós: Custo baixo, conforto elevado, facilidade de higienização e possibilita todas as funções fisiológicas e uso indefinido.
- Contras: segurança é menor do que nos modelos de cinturão.
Obs: Nos primeiros modelos difundidos no final do século XX, como o CB-2000, o anel escrotal era circular e fixo. Logo os testículos podiam ser retirados com facilidade com uso de lubrificante e depois todo o cinto saia facilmente. Quanto menor o anel, mais perigosa, demorada, difícil e dolorosa se tornava a sua colocação. Mas mesmo assim, o cinto não se tornava necessariamente mais seguro, porque se o anel podia ser colocado, também podia ser retirado, mesmo com o cadeado fechado com mais ou menos esforço.
O anel rígido limitava consideravelmente a segurança do conjunto, devido principalmente ao movimento de vai-e-vem natural dos testículos e pênis e variação de tamanho relacionado com a temperatura ambiente, situação, sono, cansaço, localização ou estímulo externo.
Com o surgimento dos modelos CB-3000 e CB-6000, o anel deixou de ser rígido, tomando a forma de uma pulseira de uma algema. Então anéis menores puderam ser instalados ao redor dos testículos, com grande eficácia, sem trauma, dor, com melhoria de conforto, simplificando a instalação e melhorando a segurança, evitando dessa forma o problema do escape dos testículos (involuntário ou não), porém o problema do escape do pênis pelo tubo ainda não foi totalmente resolvido no modelo de gaiola simples.
A colocação de travas pontiagudas, um acessório conhecido como gates-of-hell, impede o escape do pênis, mas deixa o cinto desconfortável e causa escoriações segundo diversos relatos.
(d) Tipo gaiola com piercing
Semelhante ao modelo anterior, no entanto, a glande fica permanentemente presa pela uretra por um pequeno cadeado na ponta do tubo que impossibilita totalmente a retirada do pênis pela base do tubo. É o dispositivo mais seguro atualmente. Mas é necessário a colocação de um piercing do tipo PA ou [[Prince Albert Piercing]]. A utilização desse tipo de cinto requer uma perfeita cicatrização.
Obs: Os modelos do tipo gaiola podem ser encontrados em aço, plástico rígido ou mistos.

Fabricantes
Há diversos fabricantes na Europa e Estados Unidos, tanto para os modelos de cinturão em aço, quanto dos modelos de gaiola em plástico resistente, aço ou mixtos. Todos podem ser encontrados facilmente através dos mecanismos de busca existentes.


Efeitos colaterais
O desconforto inicial, natural após a colocação do cinto de castidade dura no máximo uma ou duas semanas e coincide com uma fase de intensa excitação sexual provocada pelo tubo e anel que ao mesmo tempo impedem a conclusão do estímulo, impedindo a instalação da ereção e negando o gozo. Rapidamente esse estímulo inicial cessa, em alguns dias tipicamente, mas o cinto continua bloqueando qualquer estímulo externo. A insistência pode causar desconforto ou dor, criando uma retro-alimentação negativa, que afasta as tentações e as reações fisiológicas.
Após essa fase de adaptação inicial, é relatado que o cinto de castidade paulatinamente se torna mais confortável e é cada vez menos notado na maior parte do dia, levando ao completo esquecimento, ao menos enquanto não houver nenhum estímulo que provoque ereção. Pelas manhãs, durante a ereção matinal ou tesão do mijo, onde o bloqueio é muito intenso, há grande desconforto.
Com maior tempo de uso, tipicamente seis meses, começa uma nova fase e um processo psicológico de desejo mental e intensa frustração sexual se instala. Independente do uso do cinto, os testículos continuam produzindo sémen que é absorvido pelo organismo mantendo a concentração de testosterona no sangue bastante elevada. O saco aumenta de volume e deixa o conjunto mais firme e seguro. É comum ocorrer pequeno corrimento noturno de fluido seminal. Devido a incapacidade de obtenção de alívio sexual isoladamente, o sentimento de dependência da guardiã das chaves se amplia, desencadeando um processo de submissão extremado. Nesta etapa é que são relatados os maiores benefícios do uso do cinto de castidade pelos casais adeptos a essa prática. Todo orgulho, vaidade e egoísmo do homem são aniquilados.
O cinto de castidade impede que o homem urine de pé, para evitar sujeira este deverá se aliviar sentado e com privacidade. De qualquer forma, a higiene é motivo de preocupação constante para evitar assaduras ou mal cheiro. Se houver problemas, como bolhas, manchas, dor insuportável ou ferida, o cinto deve ser retirado e o treinamento interrompido imediatamente. Outro anel ou outro modelo deve ser escolhido.
O uso do cinto de castidade de forma continuada, sem interrupções, pode comprometer algumas funções ao longo do tempo, principalmente a capacidade e potência da ereção. Após os primeiros meses de uso ininterrupto ocorre um inchaço considerável do saco, que torna o cinto ainda mais seguro. Porém a cor do saco deve ser monitorada constantemente.
Se o anel estiver demasiadamente apertado há risco de escoriação, hematomas e gangrena.
O uso continuado pode causar a inflamação da próstata pela retenção de fluidos que normalmente seriam eliminados com o gozo. Para contornar esse problema, os casais envolvidos com o uso contínuo de cintos de castidade masculinos, costumam recorrer a massagens prostáticas anais, técnica conhecida como ordenha, para evitar o acúmulo de fluidos. Durante esse processo, o cinto não precisa ser removido e bolsas de gelo podem ser aplicadas diretamente nos testículos para evitar qualquer excitação sexual. A ocorrência de corrimento noturno espontâneo indica a necessidade da ordenha.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Referência.. Vamos aprender??


A linda {A.Yasmine}_DEXPEX, sugeriu um site.. esse eu não conhecia ainda. Estou lá há algum tempo, lendo tudo.. e vou me cadastrar..


Obrigada, Amar..


Sugestão para, principalmente, os iniciantes..


SENHOR VERDUGO - PORTAL BDSM - Parabens SENHOR VERDUGO, o site é excelente.



Aos iniciantes, que já me falaram que estiveram aqui, não percam essas oportunidades, pessoas com mais experiência colocando o BMDS bem mastigado para nós (eu tb sou iniciante)... Mas aproveitem.. senão.. olha a imagem ai.. ;)


E por falar em cães..


Minha vida está cercada de podólatras.. e eu adoro!! Outro dia, me lembrei de uma foto, onde eu estava completamente relaxada, num domingo de manhã e a minha Bulldogue, veio fazer uma das coisas q ela mais gosta.. Cheirar e lamber meus pés..


Não é para qualquer um não.. Uma cadela podólatra... Que seja inspiração para meus futuros subs.. q vierem a praticar Dog Play e lógico, podolatria.

Minha visão de Cérbero


Ja que o Cérbero da postagem anterior, a meu ver, tinha mais cara de DOM do q de escravo, resolvi colocar uma visão mais ligth de Cérberos..


Cérbero



Origem: Wikipédia,
Na mitologia grega, Cérbero ou Cerberus (em grego, Κέρβερος – Kerberos = "demônio do poço") era um monstruoso cão de múltiplas cabeças e cobras ao redor do pescoço que guardava a entrada do Hades, o reino subterrâneo dos mortos, deixando as almas entrarem, mas jamais saírem e despedaçando os mortais que por lá se aventurassem.

descrição da morfologia de Cérbero nem sempre é a mesma, havendo variações. Mas uma coisa que em todas as fontes está presente é que Cérbero era um cão que guardava as portas do Tártaro, não impedindo a entrada e sim a saída. Quando alguém chegava, Cérbero fazia festa, era uma criatura adorável. Mas quando a pessoa queria ir embora, ele a impedia; tornando-se um cão feroz e temido por todos. Os únicos que conseguiram passar por Cérbero saindo vivos do submundo foram Héracles, Orfeu, Enéias e Psiquê. Cérbero era um cão com várias cabeças, não se têm um número certo, mas na maioria das vezes é descrito como tricéfalo (três cabeças). Sua cauda também não é sempre descrita da mesma forma, às vezes como de dragão, como de cobra ou mesmo de cão. Às vezes, junto com sua cabeça são encontradas serpentes cuspidoras de fogo saindo de seu pescoço, e até mesmo de seu tronco.

Quanto à vida depois da morte, os gregos acreditavam que a morada dos mortos era o Hades, que levava o nome do deus que o regia, ao lado de Perséfone. Hades era irmão de Zeus. Localizava-se nos subterrâneos, rodeado de rios, que só poderiam ser atravessados pelos mortos. Os mortos conservavam a forma humana, mas não tinham corpo, não se podia tocá-los. Os mortos vagavam pelo Hades, mas também apareciam no local do sepultamento. Havia rituais cuidadosos nos enterros, e os mortos eram cultuados, principalmente pelas famílias em suas casas. Quando os homens morriam eram transportados, na barca de Caronte para a outra margem do rio Aqueronte, onde se situava a entrada do reino de Hades. O acesso se dava por uma porta de diamantes junto a qual Cérbero montava guarda.

Para acalmar a fúria de Cérbero, os mortos que residiam no submundo jogavam-lhe um bolo de farinha e mel que os seus entes queridos haviam deixado no túmulo.

Seu nome, Cérbero, vem da palavra Kroboros, que significa comedor de carne. Cérbero comia as pessoas. Um exemplo disso na mitologia é Pirítoo, que por tentar seduzir Perséfone, a esposa de Hades e filha de Deméter, deusa da fertilidade da terra, foi entregue ao cão. Como castigo Cérbero comia o corpo dos condenados.

Cérbero era filho de Tífon (ou Tifão) e Equídina. Cérbero era irmão de Ortros e da Hidra de Lerna. Da sua união com Quimera, nasceram o Leão de Neméia e a Esfinge.


E agora eu pergunto.. Terei que virar a Psiquê?????

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Para Iniciantes.


Sei que muitas pessoas novas, sempre aparecem em chats, dizendo-se escravo.. submisso..

Eles vem a mim, de uma forma tão doce e ignorante, que eu QUASE fico com dó.. Sou sádica, sabe como é.. não tenho dó.. kkkkkk

Mas sério.. Quando conversam em chats comigo, e se mostram interessados, indico 2 sites.. Nesses dois, eu comecei a me informar... e ainda hoje, vira e mexe, vou olhar.. Claro q tb ja aumentei minha lista de favoritos, mas a princípio, esses dois sites, são o que eu mais gostei em termos de orientação a quem quer ser "algo", dentro dessa Arte.

Estão ai:

O Carcereiro - BDSM em Foco - que por sorte, eu conheci outro dia no UOL.. e vira e mexe, dou uma conversadinha com ele..

Desejo Secreto - BDSM e Fetiches - Um site fantástico.. a gente passa horas e horas lendo..

Vale Conferir!!!

Mas afinal, quem sou eu?



Quem sou eu??? Se vc me perguntasse isso, há alguns meses, eu diria: "Nossa, não sei definir quem sou.. me sinto completamente deslocada desse mundo!!"

Hoje, com 46 anos, completos, ja tendo passado por vários cantos da vida.. por várias fases.. vários lugares... me encontro aqui, ciente de meu lado Dominador/Sádico, ciente de que não sou igual a ninguem. E que ninguem tem o direito de julgar ou me tirar essa felicidade.

Como Domme, sou diferente. Não quero ser igual a montes e montes de Dommes, que não tem um ato de gentileza em suas falas.. Se elas estão certas e eu errada, não sei.. so sei q eu não sou assim. Por ser extremamente calma, muita gente ja questionou esse meu lado dominador e sádico.. Mas eu acho q esse meu lado é puro erotismo, prazer.. so compete a mim e ao meu parceiro, seja ele masoquista ou submisso, vivenciar... Sinto prazer nas práticas q faço.. mas não preciso ser Sádica ou Dominadora, 24h por dia. Posso até sê-lo, mas não é uma imposição que eu me faça.

Aprendi isso, lendo a Rainha Frágil (de quem me tornei fã), numa entrevista. Ela diz: "Eu adoro ficar toda menina e me aconchegar nos braços do meu escravo preferido e também gosto de passar horas jogando conversa fora. Adoro quando vamos ao cinema de mãos dadas. E gosto mais ainda do fato de que apesar de tudo, em nenhum momento perdemos o fio da relação D/s.
Durante todo o tempo ele esta demonstrando sua submissão. Em pequenas atitudes, como sorrir pra mim, sentar-se a meus pés, ou apenas abrindo a porta do carro.
É lá pelas tantas, em nossa intimidade que o jogo recomeça. É muito bom assim e é assim que eu brinco também com os escravos eventuais. Todos os meus relacionamentos são baseados em confiança e respeito. Tudo tem que ser tranqüilo levando sempre em consideração o ambiente em que nos encontramos e, claro, os nossos desejos." (na íntegra:
Sadomasoquismo com água de coco?)

Pois é exatamente assim que eu penso.. não que eu seja duas, ou mais pessoas, sou uma só.. a Monica.. mas, que tem vivências diversas em vários momentos. Sei que para mim, hoje, vai ser muito difícil, viver abaunilhada.. depois das práticas que tive.. Nenhum baunilha ia deixar eu dar um pisãozinho.. só um que fosse.. kkkkkkkkkkk

No início, ainda tentei conversar com uma amiga minha (baunilha) sobre o fascínio que eu estava tendo por BDSM, mas ela não queria ouvir.. Dizia que se soubesse que eu estava envolvida com SM iria me internar, falar com meus parentes... Eu calmante, ainda tentei explicar.. mas..

Pensei em como as pessoas são desinformadas e querem continuar assim, mesmo tendo a Internet para dar diversas explicações. Hoje, para essa amiga, minha fase SM passou.. aprendi a mentir para ela.. e se ela gosta de ser enganada, pq não fazer o que ela quer??

Não tenho vergonha alguma de mostrar minha cara e assumir meu lado "D", da relação D/s... Ou meu lado "S" da relação SM... dou meu MSN mesmo.. uso o meu pessoal, com a minha foto.. não criei um para ser Domme.. Sabe pq? Pq não tenho vergonha do que sou.. não tenho porque me esconder.. Assumo, como assumo tudo o que faço na minha vida. A menos que a pessoa, ou pessoas, sejam radicais, como minha amiga, acima citada.

Bem, mas quem sou eu?? Monica, 46 anos, escorpião com ascendente em sagitário, Mulher antes de ser Domme.. e uma Domme diferente.. As vezes tímida, as vezes louca.. aflorando como Rainha... Desabrochando ainda como Mulher.. Como disse o meu escravo intelectual: Vc é uma "Domme boazinha"... E quando eu repetia isso.. ele dizia: Boazinha?? Ah tá!!!

Sou uma aprendiz.. achei alguns mestres e com eles aprendo.. Achei amigos, que tenho como pedras preciosas, guardados na minha caixinha de jóias, que é chamado coração.. Enfim, achei meu caminho.. e a minha liberdade. E continuo buscando, o que todo mundo busca: Ser Feliz!! Cada dia, mais!!!

Essa sou eu!! ;)

Ressurgindo das Cinzas, como uma Phoenix

Há muito tempo, sentia uma necessidade de explorar esse mundo erótico/sensual, mas não sabia como. Até que esbarrei com um submisso num chat comum. E lá, começamos a conversar e ele me indicou alguns sites.. Isso foi em novembro de 2009. Veio meu aniversário, Natal e finalmente um novo ano, eu ja tinha largado de mão os textos, apesar de me sentir fascinada pelo assunto. Mais uma vez esbarro com alguem num chat e começamos a falar de nossas fantasias sexuais.. E eu, de cara, falo sobre minha tara por bunda de homem (ohhh coisa boa!!!).. e ele se apresenta como um "futuro submisso, ainda estudando.. procurando uma Dona".. e apreciador de inversão.
Hummmmmmm.. adorei né??? E o assunto rolou. Ele me apresentou alguns sites, diferentes do q o submisso anterior tinha me apresentado... me mostrou alguns artigos, onde homens se submetiam ao poder das mulheres.. Acreditem, eu não sabia nem o que era DOMME.
Li tudo o q me apresentou.. e fui, por conta, vasculhar mais.. e mais.. e mais. Não conseguia, tirar esse assunto da cabeça.. Até que de repente, esse mesmo "Adorador de pés", me diz na cara.. Vc nunca será uma Domme.
Nossa.. fiquei estática, atrás do meu monitor. Bem, ele tinha mais teoria que eu, mas não me conhecia mais do que eu.. E eu fui a luta, agora sozinha, sem a ajuda do "teórico".
O ambiente me assustava, e eu tinha medo de me comunicar. Mas a Internet, novamente ela, é ótima.. nos protege.. e nos deixa livre para realmente buscar o que queremos. E eu fui para uma sala de Bate Papo, procurar uma Domme que me desse uma ajuda.. No RJ, do UOL, nenhuma.. Não desanimei, parti para a sala Sadomasoquismo de SP.. e lá encontrei uma Domme maravilhosa que me ajudou muito a tirar minhas últimas dúvidas (ja estávamos na última semana de março), e eu só vivendo teorias e contos.. No início, ela ficou meio receosa, hoje sei, q por conta de muitos fakes, mas naquela época eu não tinha a mínima idéia, eu nem frequentava as salas.. Mas, hj, minha querida REGINA, "Minha Mentora", como a chamo, já é uma amiga.. e em breve, iremos nos encontrar lá em SP.
Depois das orientações da REGINA, fui para a sala do RJ, tentar encontrar o "escravo de mi vitta".. e dei uma sorte danada.. de cara, encontrei.. Mas.. essa ja é uma outra história.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...